A FESTA

Este espectáculo nasce pelas mãos do ciclo 3 do Grupo de Teatro Comunitário A TRIBO. O texto foi escrito de forma colectiva por todos os elementos do grupo, através dos tópicos lançados semanalmente nos ensaios pela coordenadora do projecto.
A antestreia d' A FESTA foi no Teatro da Trindade no dia 28 de Maio de 2016, inserido no âmbito do Arte Escola Comunidade Encontros 2016.
A estreia aconteceu em Mafra no Auditório Municipal Beatriz Costa, a 25 e 26 de Junho de 2016. 
Dia 24 de Setembro de 2016 A FESTA foi até ao Auditório da Casa de Cultura Jaime Lobo e Silva, na Ericeira.


 

O mundo estava em festa, todos celebravam: as pessoas vestidas a rigor sorriam e bebiam em copos altos. Alguém encheu os pulmões e gritou – chega! chega! chega! a festa acabou!
O mundo deixou de festejar, as luzes apagaram-se e começou a pensar-se, de verdade, nas pessoas e no futuro. Os olhos procuraram pedaços de coisas limpas, e nada. Reunidas, as pessoas que antes eram felizes, pensaram em mil e uma maneiras de voltar a dar sentido às coisas: perceberam que sonhar era bom, e era possível. Quiseram que o futuro existisse de muitas maneiras, e perceberam que para isso o mundo só precisava de acordar, e de querer! Eles quiseram com muita vontade, e pouco a pouco o mundo e os corações voltaram e encher-se e serpentinas e balões!

Nota sobre a criação

Olhámos para o panorama atual e percebemos que, ao continuarmos assim, com este ritmo, consumidos pela tecnologia, consumidos por tudo e por nada, o mundo do futuro não vai chegar a bom porto. Pensámos que era preciso pôr-lhe um travão e explicar que existem coisas que, mesmo que passem milhões de anos devem perdurar: o amor, a vontade de sonhar, a nossa individualidade, aquilo que nos torna verdadeiramente únicos, a vontade de comunicar e aprender. A FESTA nasce dessa vontade: de continuar a construir e habitar um mundo onde se possa respirar de pulmão cheio, de ser feliz, onde se possa festejar com uma tribo, com a nossa tribo. Daniela Simões




VÍDEOS PROMOCIONAIS

 





Realização e edição: Laura Dias

As tribos festejam, só porque sim e porque não! Fazem falta mais tribos no mundo. as Tribos festejam porque são vinte, porque são um milhão.